Richard Avedon: 15 Lições de um Mestre em Fotografia de Retratos

por | nov 11, 2019 | Dicas de Fotografia, Fotografia, Fotógrafos famosos

Uma das melhores maneiras de aprender a fotografar retratos é estudando os grandes nomes.

Richard Avedon é um dos melhores fotógrafos de retratos de todos os tempos, e ele pode nos ensinar muito sobre retrato, iluminação, técnica, autoconsciência e, até mesmo, sobre câmeras e lentes. Por isso, recomendamos que você estude o trabalho de Avedon e conheça sua biografia para desenvolver ainda mais suas habilidades como fotógrafo de retratos.

Os retratos simples e sugestivos de Avedon e suas fotografias de moda ajudaram a definir a cultura americana por mais de 50 anos.

E neste artigo, discutiremos sua história, estilo, estilo de iluminação, personalidade, equipamento e muito mais!

LIÇÃO 01. QUEM FOI RICHARD AVEDON?

Avedon é considerado o melhor fotógrafo de retrato e moda da história por muitos críticos de arte.

Ele fez retratos de grandes celebridades como Audrey Hepburn, Marilyn Monroe, Rudolf Nureyev, Charlie Chaplin, Beatles, Andy Warhol, Stephanie Seymour… perai, você entendeu de quem estamos falando, né?

E, em muitos casos, ele conseguiu produzir um retrato icônico de cada uma dessas estrelas. Mas os retratos de Avedon não se limitaram às celebridades. Ele também:

  • Capturou o espírito da classe trabalhadora americana no livro No Oeste Americano.
  • Documentou o movimento dos Direitos Civis junto com o escritor James Baldwin no livro Nothing Personal.
  • Criou uma série icônica de retratos políticos para a revista Rolling Stone em sua série “A Família”.
  • Avedon foi o principal fotógrafo de moda do mundo entre o final da década de 1940 e 1990.
  • Ele produziu grandes fotografias de moda para as revistas Harper’s Bazaar, Vogue e The New Yorker.
  • Ele criou campanhas publicitárias para Versace, Calvin Klein, Christian Dior, H&M, Revlon, L’Oreal, Max Factor, Levi’s e Chanel, entre muitas outras.

E se você quiser entender a influência que ele exerceu, e ainda exerce, nos fotógrafos de moda, basta ir à uma banca e abrir qualquer revista de moda, que você encontrará inúmeros retratos influenciados diretamente pela obra de Avedon.

LIÇÃO 02. ALGUMAS REFERÊNCIAS

Deixe-nos compartilhar algumas fontes com você.

Primeiro, há o incrível documentário Avedon: Darkness and Light, que é o melhor vídeo sobre Fotografia de Retrato que você pode assistir hoje!

Segundo, o livro Avedon: Nothing Personal, que contém uma tonelada de informações sobre as técnicas fotográficas e o estilo de trabalho de Avedon. 

E, finalmente, você pode encontrar ótimas informações, principalmente sobre as câmeras, lentes e equipamentos de iluminação que Avedon utilizava na edição de março a abril de 1994 da revista American Photo.

LIÇÃO 03. CONHEÇA SEUS PONTOS FORTES E FRACOS COMO FOTÓGRAFO DE RETRATOS

Richard Avedon era um fotógrafo de retratos genial. Mas, como qualquer outra pessoa, ele tinha fraquezas, mas vamos começar pelos seus pontos fortes.

Primeiro, Avedon era incrivelmente carismático e enérgico, então ele era ótimo em tirar o máximo proveito de seus assuntos fotográficos. Isso também fez com que até as mais famosas celebridades quisessem estar com ele.

Ele também era um homem de negócios muito perspicaz, cobrava o valor que quisesse por seu trabalho e conseguia clientes.

E, claro, ele sempre estava cheio de ideias brilhantes para retratos e projetos.

Mas Avedon não era bom em tudo.

Ele não dominava todas as técnicas. E como ele estava sempre tão ocupado trabalhando, ele simplesmente não tinha tempo para conhecer tudo.

Então, Avedon tinha as ideias em mente, mas precisava da experiência de sua equipe para executá-las.

Então, ele se cercou de um exército de assistentes, impressoras, arquivistas e retocadores altamente talentosos.

Normalmente, ele tinha quatro assistentes trabalhando no set com ele, gerenciando sua iluminação e trocando filmes.

E também, uma vez ou outra, muitos grandes fotógrafos trabalharam para o estúdio Avedon como assistentes. Alguns dos maiores nomes incluem Tim Walker, Sebastian Kim, Mikael Jansson, Daymion Mardel, Andrea Blanch, Jonathan Mannion, Gideon Lewin, Jim Varriale e, claro, o grande Yasuhiro Wakabayashi, também conhecido como Hiro.

LIÇÃO 04. QUEM FOI YASUHIRO WAKABAYASHI? 

Curiosidade sobre Hiro

Hiro viajou do Japão para Nova York nos anos 50 e começou a trabalhar para Richard Avedon. Muito rapidamente, Hiro tornou-se um fotógrafo de renome por direito próprio, e ainda hoje é admirado por sua moda incomum e criativa, natureza-morta e fotos de retrato. Em 1969, Hiro recebeu o Prêmio de Fotógrafo do Ano pela Sociedade Americana de Fotógrafos de Revistas e também ganhou o Prêmio CLIO de Excelência em Publicidade e a Medalha de Maior Realização do Art Directors Club. Nós recomendamos o livro Hiro: Photograph, editado por Avedon.

LIÇÃO 05. CONCENTRE-SE NO RESULTADO FINAL DO SEU RETRATO

Os retocadores foram uma parte essencial do trabalho de Avedon.

De acordo com o Instituto de Arte Courtault:

“A Avedon trabalhou com o ‘retocador’ Bob Bishop por mais de quarenta anos, ajustando manualmente os negativos das fotos. Alongar pescoços e pernas, aumentar os olhos e até trocar cabeças e torsos de imagens diferentes para criar uma imagem idealizada, meio século antes do Photoshop”.

E aqui está um relato do ex-assistente Mark Royce do livro Avedon: Something Personal:

“Passei muito do meu tempo na impressão de estúdio. Muitas vezes era um processo de vários dias para criar uma única imagem. Eu me trancava no quarto escuro e imprimia seis exposições diferentes e talvez três contrastes diferentes, com variações de queima e esquiva, para que Dick pudesse cortar as coisas de cada uma das impressões e colá-las em um pedaço de papel”. 

E Avedon não limitou o retoque pesado ao seu trabalho de moda, beleza, comercial e celebridade.

Seu melhor trabalho é provavelmente o seu No American West, um retrato cru e corajoso da classe trabalhadora americana.

Até essas fotos foram retocadas incansavelmente.

Certa vez, vimos um teste de Avedon impresso em uma exposição, e estava coberto de anotações.

Se Richard Avedon estivesse vivo e fotografando até hoje, ele estaria apaixonado pelo Photoshop.

Então, qual é a lição final?

Avedon fez o que tinha que fazer para obter o resultado final que desejava. Isso começou com a formação de uma grande equipe e terminou com retoques precisos.

Mas é claro que sua personalidade foi resultado de um longo caminho.

LIÇÃO 06. DIVIRTA SEUS MODELOS

Avedon era lendário por sua energia contagiante, mesmo quando tinha 70 anos.

Essa energia inspirou sua equipe de estúdio, assistentes, estilistas e sujeitos / modelos a dar o melhor de si.

E se há algo que o livro Avedon: Something Personal mostra fortemente, é que as pessoas se divertiram muito no set com Avedon. Ele dirigia seu estúdio com um punho de ferro, mas era divertido estar por perto.

Seus assistentes trabalharam arduamente mesmo com salários baixos. Eles adoravam estar com ele! 

Eis o o que Erin O’Connor disse a Nick Knight, do ShowStudio, sobre as sessões de foto com Avedon:

“Ele era muito animado e agitado, ele nunca parou. Sim, ele era como dinamite e ele realmente se mexia e se movia muito, e isso era algo contagiante que fazia você se mover também… ele vivia realmente cheio de entusiasmo. ”

Kate Moss disse:

“… oh, nós rimos e rimos e rimos …oh Deus, nós nos divertimos muito… ele era bem velho na época, mas estava pulando e pulando na sessão de fotos… ele era muito divertido”.

Agora, eles não estavam falando sobre Avedon, de 26 anos, em Paris de 1949 no pós-guerra.

Isso foi no início dos anos 90, quando Avedon estava com 70 anos.

Se uma pessoa de 70 anos tinha energia suficiente para impressionar supermodelos, qual é a sua desculpa?

Mas, nem tudo foi flores e sorrisos no estúdio Avedon…

LIÇÃO 07. PROVOQUE SENSAÇÕES EM SEUS MODELOS FOTOGRÁFICOS

Avedon considerava isso como “manipulação para o bem maior”. Ele queria que seus modelos se divertissem e queria tirar boas fotos.

Mas há um outro lado.

Às vezes, para obter uma imagem feia, ele fazia coisas feias.

Uma de suas fotos mais famosas é o seu retrato do duque e da duquesa de Windsor.

O duque, o príncipe Edward VIII, havia sido acusado de ser pró-nazista – algo que não se encaixava muito bem com o judeu Avedon.

Então uma armadilha foi preparada.

Avedon, sabendo que o duque e a duquesa eram amantes de cães, contou uma pequena mentira:

Em Darkness and Light, Avedon disse:

“Eu sabia que eles amavam seus cachorros e então eu disse para eles que eu estava um pouco triste e perturbado, porque o táxi que peguei atropelou um cachorro. E os dois ficaram tristes e desolados porque amavam cachorros, muito mais do que os judeus… a expressão em seus rostos é verdadeira porque você não pode evocar uma expressão que não faz parte da vida de uma pessoa”.

Muito tenso, certo?

Avedon também era conhecido por criar um cenário tenso no estúdio, se esse era o tipo de imagem que ele estava procurando. Ele evitava as risadas, se necessário.

LIÇÃO 08. NÃO QUEIRA AGRADAR OS SEUS MODELOS EM SUA FOTOGRAFIA AUTORAL

Se alguém está pagando por fotos de família, você deve fazer o possível para torná-las bonitas.

Mas se você está produzindo uma fotografia autoral, às vezes, o melhor retrato que você pode fazer é aquele que seu modelo mais odeia.

Seu modelo pode não querer ver todas as rugas e cicatrizes em seu rosto, mas pode ser o que faz o seu retrato valer a pena de ser visto.

Então pense sobre isso na próxima vez que fotografar alguém.

Você está procurando agradar o seu modelo?

Ou por favor, seus próprios gostos artísticos?

Você nem sempre pode fazer as duas coisas ao mesmo tempo.

LIÇÃO 09. FAÇA FOTOS SIMPLES

Não que o estilo de simplicidade de Avedon fosse fácil, mas praticamente todo retrato de Richard Avedon tem uma coisa em comum: eles são simples.

Ao eliminar as distrações, sempre estamos focados no elemento certo – o modelo.

Mas sejamos claros: simples não significa fácil. 

De fato, simples pode ser incrivelmente difícil, porque você não tem nenhum brilho ou glamour por trás.

E, claro, ele sempre parecia captar um momento interessante.

E trabalhou com os melhores profissionais de cabelo e maquiagem.

Mas você sabe qual é a coisa mais interessante nas fotos de Avedon?

É que ele era incrivelmente versátil.

Ele foi capaz de fazer algo simples um milhão de vezes diferentes, brincando com expressão, composição e, claro, iluminação.

LIÇÃO 10. USE O ESTILO DE ILUMINAÇÃO DE RICHARD AVEDON

O estilo de iluminação de Richard Avedon era simples e você pode usá-lo!

O estilo e as configurações de iluminação da Avedon eram muito simples e diretos.

A maioria dos retratos de estúdio de Avedon foram feitos com uma única luz estroboscópica em um guarda-chuva e com luzes adicionais no fundo.

Aqui está Marc Royce na configuração clássica de iluminação de Richard Avedon:

“O primeiro assistente segurava o guarda-chuva, que era a fonte de luz e, em seguida, continuava movendo o braço para acompanhar o assunto. Oposto e trabalhando em conjunto, estava o segundo assistente, segurando um braço de 12 polegadas com um cartão de apresentação quadrado, um pedaço de papelão prateado e branco, para refletir nos olhos do sujeito. Se você aumentar o globo ocular em qualquer foto de Avedon, verá o guarda-chuva e, se você olhar bem de perto, verá um brilho prata embaixo dos olhos, que é o refletor. Se você aproximar ainda mais dos olhos, poderá ver Dick refletido”.

E seus famosos retratos “No oeste americano” foram fotografados com luz natural – talvez a técnica mais simples de luz que existe.

O ponto é que você não precisa de 10 luzes para fazer um ótimo retrato. Caramba, você nem precisa de uma luz. Você pode usar o sol se for inteligente!

Mas o que diferenciou os retratos de Avedon foi a sua impecável iluminação. 

Ele sempre parecia colocar a luz certa no lugar certo e que nunca era demais para distrair ou estilizar.

Se você estudar o trabalho dele, às vezes verá uma luz plana e sem sombras.

E outras vezes, uma luz bastante dramática.

Percorra o catálogo dele e você ficará chocado com as diferentes maneiras que ele utilizou apenas uma fonte de luz simples.

Então, sim, você pode copiar a iluminação de Avedon com bastante facilidade. Você provavelmente já possui equipamentos 100 vezes melhores que os dele.

Mas você não pode copiar o pacote total.

E sua abordagem um tanto minimalista à iluminação se estende às câmeras e lentes, como você está prestes a aprender:

LIÇÃO 11. VOCÊ NÃO PRECISA DE MUITO

Se Richard Avedon não precisava de 8 câmeras e 27 lentes, você também não precisa

Que tipo de câmera e lente Richard Avedon usou? 

Bem, você ficará surpreso ao saber que ele usava apenas 4 câmeras e duas distâncias focais – mesmo que ele fosse surpreendentemente rico.

Vimos o armário do estúdio na edição de março a abril de 1994 da revista American Photo. Aqui está o que foi listado:

4 câmeras Rolleiflex TLR

1 câmera grande formato Sinar P1/8 x 10” 

1 câmera de madeira Deardorff 8x10”

1 lente Schneider Wymmar-S 360mm f/6.8 

1 lente Fujinon 360mm f/6.3 

1 Hasselblad 500c/m 

1 lente Hasselblad 150mm f/4

Você pensava que o maior fotógrafo do mundo possuía mais câmeras e lentes. Mas ele não possuía.

A lente de 80 mm da Rolleiflex e as lentes de 360 ​​mm para suas câmeras de 8 x 10 ”são aproximadamente 50 mm equivalentes em um formato de 35 mm.

A Hasselblad 150mm é praticamente uma 85mm.

Essencialmente, Avedon estava usando apenas 2 comprimentos focais.

Enquanto isso, você está aí pensando em quantas lentes possui, não é mesmo?

Avedon fez toda a sua mágica com duas distâncias focais!

Verdade: a maioria dos fotógrafos tem mais câmeras e lentes que Richard Avedon.

Você deve estar começando a pensar que tem muita coisa:

Eu realmente preciso de uma lente 28 mm e uma 35 mm? Especialmente se eu já possuo uma 24-105mm?

E como você aprendeu antes, as configurações de iluminação de Avedon eram bem simples.

LIÇÃO 12. TENHA PROJETOS AUTORAIS

Trabalhe em projetos de retrato para alimentar sua alma e construir seu legado.

A Avedon ganhou uma fortuna criando fotos publicitárias para marcas como Versace, Revlon, Calvin Klein, Christian Dior, Chanel, H&M e Levi’s.

E ele estava incrivelmente ocupado com o trabalho editorial de agências como Harper’s Bazaar, Vogue e The New Yorker.

No entanto, ele ainda teve tempo para trabalhar em projetos pessoais, principalmente no oeste americano, que é uma de suas melhores coleções de retratos.

Sim, Avedon foi motivado por dinheiro.

Mas ele também fotografou pessoas para alimentar sua alma e construir seu legado como artista.

Ele nunca deixou de ter fome de criar coisas novas.

LIÇÃO 13. SEJA COMPETITIVO E TRABALHE DURO

Ao ler vários livros sobre o artista, uma coisa ficou muito clara para nós: Richard Avedon não se sentia bem se não estivesse no topo da lista de melhores fotógrafos do momento. 

Ele alcançou um nível absolutamente absurdo de riqueza e sucesso.

Mas ele era extraordinariamente competitivo com outras lendas como Irving Penn, Bruce Weber, David Bailey e Steven Meisel.

Muitos fotógrafos gostariam de pensar que os fotógrafos mais famosos estariam 100% seguros em suas posições, mas isso não é verdade.

Os melhores dos melhores não se apoiam nos louros. Eles estão determinados a vencer a concorrência de volta com puro trabalho duro.

Nesta entrevista de 1993 a Charlie Rose, Avedon disse: “Acho que há uma coisa em comum entre eu, Cartier-Bresson, Irving Penn, Diane Arbus: uma obsessão total pelo trabalho”.

LIÇÃO 14. COMPREENDA A NATUREZA DA FOTOGRAFIA DE RETRATO

Ouvimos o tempo todo que um retrato deve dizer algo sobre quem é uma pessoa.

Mas você não pode abranger tudo sobre uma pessoa em um centésimo de segundo. Oras, você tem sorte se conseguir pegar uma boa expressão do modelo!

E, por natureza, fotógrafos de retratos editam suas fotografias. Colocamos na fotografia a nossa opinião.

É por isso que amamos essa citação da Avedon:

“Um retrato não é uma semelhança. No momento em que uma emoção ou fato é transformado em fotografia, não é mais um fato, mas uma opinião. Não existe imprecisão em uma fotografia. Todas as fotografias são precisas. Nenhum deles é verdade”.

Por que todas as fotos são precisas?

Porque, como disse Avedon sobre o duque e a duquesa de Windsor, “você não pode evocar uma expressão que não sai da vida de uma pessoa”.

E por que nenhum deles é a verdade?

Porque temos sorte se conseguirmos pegar uma boa expressão de uma pessoa. E essa expressão pode não ser tão verdadeira quanto pensamos. 

E agora, estamos chegando à lição mais importante de Avedon:

LIÇÃO 15. GRANDES FOTÓGRAFOS NÃO SE APOSENTAM, ELES MORREM

Você pode fotografar até o fim.

Avedon morreu aos 81 anos, enquanto estava em San Antonio, Texas, em missão para o The New Yorker.

E de acordo com o New York Times, ele estava em um novo projeto cobrindo a preparação para a eleição presidencial de 2004.

Então, sim, mesmo com a idade avançada de 81 anos, ele ainda estava fotografando.

Ele não estava sozinho nessa.

Albert Watson tem mais de 70 anos e é um fotógrafo ocupado.

David Bailey tem 80 anos e ainda está fotografando.

Irving Penn ainda estava na casa dos 90.

Portanto, nunca esqueça que você pode fotografar para sempre. Se seus olhos estão funcionando, não há motivo para parar.

O que você acha de Richard Avedon?

Compartilhe seus pensamentos nos comentários.  

Por favor, se você acha que esquecemos  de alguma dica importante, compartilhe com a gente na seção de comentários abaixo. Vamos adorar incluí-la em nossa lista!

Compartilhe com a gente suas fotografias de retrato, participe do nosso grupo no Facebook: Semana da Fotografia • O Casal  da Foto. Você já fez fotos de retrato incríveis e gostaria de compartilhar? Mostre para nós! 

Um beijo do casal e até logo! 

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O Casal

O Casal

Ela é de Brasília. Ele, de Belo Horizonte. Ela tem formação artística baseada em pintura e literatura. Ele já foi criado na música e no cinema. Ela gosta de MPB. Ele gosta de Jazz. Mas foi na fotografia que ambos se encontraram.

Especialistas em docência fotográfica, colecionam 14 anos de experiência em ensino artístico. Juntos são O Casal da Foto, uma dupla inseparável, ávidos por ensinar tudo o que aprenderam ao longo de suas carreiras e transformar a forma de se lecionar e aprender fotografia.