Pequena mas poderosa: Fujifilm 60mm f/2.4 – uma lente macro de respeito!

por | fev 24, 2017 | Equipamentos, Fotografia | 2 Comentários

Eu sempre digo nas aulas que ministro sobre o mundo das objetivas que as técnicas de fotografia usando lentes macro são segregacionistas, por precisarem de equipamentos caros, pesados; além de requerer muita paciência em campo.

lente macro fujifilm

Mas não é apenas para fotografar insetos e outros microorganismos que serve uma lente macro. Podemos utilizá-la também em fotografias mundanas, detalhes de animais e bebês, olhos, objetos, e outras pequenezas. A única diferença de uma lente macro para uma não-macro é o fato dela ter distância de foco menor, fazendo com que possamos aproximar melhor dos motivos fotografados.

Já testei todo tipo de lente macro: Seja a lente macro Canon FD 55mm f/2.8, a lente macro Nikon 40mm f/2.8, Tamron 90mm f/2.8, Sigma 105mm f/2.8… todas muito boas, mas nada de excepcional. São lentes macro padrão, com abertura padrão e sempre com um inconveniente. Ou é grande demais, ou lenta demais, ou soft demais (quando não há muita nitidez), ou frágil demais, ou só faz f/2.8 no foco infinito, fechando a abertura em focos mais próximos.

Então chegou em minhas mãos a pequena Fujifilm 60mm f/2.4 Macro.

Quem me acompanha sabe que ando defendendo ferrenhamente a Fuji. Mas não é pra menos, ela tem feito investimentos pesados em tecnologia para fotografia, ultrapassando as gigantes Nikon, Sony e Canon, e até mesmo a Leica. Como disse no post anterior, a Forbes considerou a Fuji como a Apple dos fabricantes de equipamentos fotográficos. E, como professor de fotografia e fotógrafo com 12 anos de experiência, posso dizer com segurança e autonomia: a Fuji está fazendo um estrago (no bom sentido) no mundo da fotografia. Seu carro chefe antigamente eram as películas de filmes fotográficos. E hoje, como pouquíssimos fotógrafos ainda usam filme, ela precisou se reinventar e criar uma forma diferente de se fotografar para atrair adeptos e se manter no mercado. Quer saber mais? Leia isto.

Voltando à 60mm.

Pra começar, o corpo da lente é quase todo feito de metal, ao contrário das objetivas de outras marcas, cujo acabamento costuma ser 100% produzido em plástico. Com isso, nota-se uma robustez diferenciada ao tocá-la, que nos passa a impressão de ser uma objetiva que, se bem cuidada, vai durar por toda uma eternidade, assim como as lentes antigas. Outro ponto positivo é o tamanho: o mesmo diâmetro de uma 50mm f/1.8, um pouco mais comprida.

O foco dela é muito preciso. Aliás, o foco mais preciso que já pude testar em uma macro. Antes de atualizar o firmware ele não era dos mais rápidos, e isso era o único defeito dela. Ele não era lento, estava na média das outras macros, mas era mais lento que as objetivas normais. Depois que atualizei o firmware (uma espécie de programa instalado dentro da lente, que pode ser baixado no próprio site da Fuji) o foco dela mudou completamente.

7Macro com close digital na 56mm

A maior singularidade dessa lente para macrofotografia está mesmo em sua abertura: é f/2.4, em qualquer ponto de foco, ao contrário da última macro que tive contato, a Sigma 105mm, cuja abertura máxima nos focos próximos é f/3.8. São quase dois f/stops a mais, uma diferença e tanto quando estamos fotografando em baixa luminosidade. Daria pra economizar ISO de 6400 para 1600.

Tá certo que nesse caso a profundidade de campo se reduziria bastante também, mas em baixa luminosidade às vezes é melhor priorizar a luz e ter foco em uma área menor; que perder luz com uma profundidade de campo maior. Até porque a diferença da área em foco de uma abertura f/2.4 pra uma f/3.8 nem é significativa. Já a luz…

Vale dizer que a nitidez dessa lente macro é fenomenal. Algo fora do padrão das lentes macro comuns. Nas fotografias detalhadas que fiz eu pude aproximar digitalmente ao máximo sem esticar pixel e eu ainda tinha qualidade.

8Macro com close digital num fio RCA

Para quem gosta de newborn ela é a lente perfeita! É comum fotógrafos de newborn utilizarem uma 50mm para fotografar o corpinho do bebê e uma lente macro pra detalhes. Só que a 60mm da Fuji é macro e tem corpo de 50mm, podendo ser usada pra ambos casos, dispensando trocas excessivas de lentes.

Nas horas vagas a 60mm deixa de fazer macro e vira uma lente padrão. É uma lente feita para sensores APS-C, e por isso, faria o papel de uma 90mm em uma câmera de filme ou full frame. Por ser pequena e clara, é ótima para fazer retratos, street, paisagem e até alguns tipos de eventos. Uma 90mm f/2.4 para Nikon ou Canon seria enorme, pesada e de difícil deslocamento. Já a pequena Fujinon (nome da divisão da Fuji especializada em ótica) manda bem em qualquer situação, é clara, leve, robusta, esbelta; e relativamente barata (se comparada às outras), podendo ser encontrada por cerca de 650 dólares na B&H.

2 Comentários

  1. António

    Agradeço o texto, foi-me útil.
    É pena este português: «Até porquê, a diferença da área…» Porquê «porquê»’ Devia lá estar porque e sem vírgula.
    Obrigado, VB. (Em Portugal).

    Responder
    • admin

      Olá António, que bom que o texto lhe foi útil!
      Obrigado pelos elogios e pela dica de português, corrigimos esta pequena falha.

      Abraços,

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Como não enlouquecer com TANTOS arquivos fotográficos!?!?!?
    fevereiro 15, 2018
  • Carnaval para Fotógrafos!
    fevereiro 12, 2018
  • Brownie: a primeira câmera para crianças
    janeiro 14, 2018
  • cameras antigas como fotografar cameras analógicas
    Como fotografar: Câmeras Analógicas
    dezembro 29, 2017
  • Qual o seu propósito com a fotografia?
    outubro 30, 2017
  • Fotografia: Quanto Cobrar?
    outubro 11, 2017
  • 300 Frases Inspiradoras Sobre Fotografia
    outubro 3, 2017
  • camera profissional para iniciantes capa
    Qual Câmera Comprar?
    agosto 26, 2017
  • Eiji Ohashi, paisagens Japão Vending Machines
    As paisagens noturnas do Japão por Eiji Ohashi
    agosto 23, 2017
  • Fotografia de Jenifer Bin, Xangai China
    Jenifer Bin e sua visão surreal, futurista e geométrica da China
    agosto 23, 2017
  • Fotografia de Masayoshi Naito, Japão
    Masayoshi Naitō: O mistério e a contemporaneidade urbana do Japão
    agosto 23, 2017
  • Willy Capa
    Willy Spiller e o caos do metrô de Nova Iorque nos anos 70
    agosto 22, 2017
O Casal

O Casal

Ela é de Brasília. Ele, de Belo Horizonte. Ela tem formação artística baseada em pintura e literatura. Ele já foi criado na música e no cinema. Ela gosta de MPB. Ele gosta de Jazz. Mas foi na fotografia que ambos se encontraram.

Especialistas em docência fotográfica, colecionam 14 anos de experiência em ensino artístico. Juntos são O Casal da Foto, uma dupla inseparável, ávidos por ensinar tudo o que aprenderam ao longo de suas carreiras e transformar a forma de se lecionar e aprender fotografia.

Dicas de Fotografia no Youtube

3º WORKSHOP DE FOTOGRAFIA GRATUITO!
CAÇADORES DE IMAGENS
[de 22 de fevereiro a 05 de março]

Que tal aprender como estar pronto para criar as melhores fotos, encontrar as melhores oportunidades e mudar sua carreira vivendo de fotografia?

INSCREVA-SE GRÁTIS AGORA!
QUERO PARTICIPAR DO WORKSHOP

SEJA O PRIMEIRO A SABER DO LANÇAMENTO DO CURSO!

 

Inscreva-se e lhe informaremos assim que o curso estiver disponível!

Sua inscrição foi realizada. Por favor confirme sua inscrição no email que enviaremos em alguns minutos!

EBOOK GRÁTIS SOBRE A CARREIRA DE FOTÓGRAFO

Sua inscrição foi realizada. Por favor confirme sua inscrição no email que enviaremos em alguns minutos!